Transporte de animais em Onibus e Metro

Posso levar meu gato ou cachorro no metrô ou no ônibus

Em alguns momentos, o amante de animais vê-se preso numa dúvida: como funciona o transporte de animais em ônibus e metrôs? É possível? Tem regras?

Isso é natural. Especialmente em metrópoles, as longas distâncias tornam-se problema, quando se precisa levar o pet de um canto a outro.

E mesmo quem possui veículo próprio eventualmente se encontra em apuros. Afinal, um problema mecânico ou de outra natureza pode impedir o transporte dos bichinhos.

Nessas horas, táxis ou carros fretados talvez não sejam boa opção. Isso porque o valor pode ser proibitivo. Além disso, não são todos os motoristas profissionais que aceitam a tarefa.

Quando isso acontece, o transporte de animais em ônibus e metrôs mostra-se a solução mais adequada.

Hoje, portanto, conheceremos os direitos e obrigações ao transportar seu amigão em veículos públicos. Vem comigo?

O transporte de animais em ônibus e metrôs do Brasil

Mesmo sendo um tema tão importante, a discussão demorou a ocorrer. O transporte de animais em ônibus e metrôs só passou a ocupar as pautas políticas nesta década.

Porém, para nossa tranquilidade, hoje já é possível tomar ônibus com nossos bichinhos em praticamente todo lugar. Especialmente nos grandes centros urbanos.

Com a liberação condicional do transporte de animais em ônibus e metrôs, torna-se muito mais fácil sair com nosso pet.

A principal fundamentação das leis repousa na importância da diversão e cuidado com a saúde do animal. Assim, permite-se que alguém, mesmo sem carro, desfrute dos parques e hospitais veterinários da cidade.

Porém é importante sempre lembrar que a regulação federal é bem básica. Assim, cada Estado ou município pode possuir restrições específicas.

Em São Paulo, vanguarda do debate, a regulação foi implantada por meio da Lei 16.125, de 11/03/2015. Seu texto segue de base para a maioria das outras leis locais.

Contudo atenção nunca é demais: pesquise o texto legal de sua própria cidade ou Estado. Com isso, você evitará dores de cabeça, ao realizar o transporte de animais em ônibus e metrôs.

São Paulo e Pernambuco: exemplos a se seguir

Em 2019, São Paulo deu ainda mais um passo na questão do transporte de animais em ônibus e metrôs. A regulação, que permitia uso apenas dos coletivos, foi expandida.

Hoje, já é possível viajar de mêtros, trens da CPTM e ônibus intermunicipais, aumentando o leque de opções e distâncias.

O mesmo ocorre em Pernambuco. A Lei Estadual 16.321, de 26/03/2018, garante o transporte de animais em ônibus e metrôs por todo o Estado.

Mas não se preocupe: a boa nova já está em vigor em praticamente todos os Estados brasileiros.

E, se sua cidade ainda não aderiu, é seu direito recorrer às autoridades. Com o transporte de animais em ônibus e metrôs, podemos dar mais diversão e melhores condições de saúde aos nossos animais de estimação.

Como é realizado o transporte de animais em ônibus e metrôs

Há que se recordar sempre que cada lei local pode possuir limitações diferentes. Por tal trataremos, aqui, dos pontos mais gerais, presentes em praticamente todos os lugares.

A primeira observação a se fazer diz respeito ao tamanho dos bichinhos. Cães e gatos devem pesar, no máximo, 10kg. Em alguns lugares, o limite de peso repousa nos 8kg.

De modo algum pode-se transportar animais exóticos ou peçonhentos e venenosos. E, por motivos óbvios, peixes e aves não são considerados, no conceito.

A preocupação faz todo sentido: imagine o transporte de um cão são-bernardo com 60kg. Tanto o animal quanto os demais passageiros têm sua saúde e segurança posta em jogo.

Desse modo, para o transporte de animais em ônibus e metrôs, é imprescindível manter a atenção do limite de peso. E, é claro, o bichinho deve estar seguro em uma caixa de transporte.

Ainda sobre a caixa, ela deve ser adequada e estar impecavelmente limpa e em bom estado de conservação. Não pode-se transportar água ou comida dentro da proteção.

Se tem medo que seu bichinho sinta sede, programe-se para pausas. Tenha água fresca e um recipiente na bolsa ou mochila e, sempre que puder, o hidrate.

Procure, no trajeto até o ponto ou estação de metrô ou trem, tente que as necessidades biológicas de seu amigo já estejam resolvidas. Ninguém gosta de viajar sentindo cheiros desagradáveis.

Quanto mais você se planejar, mais certo pode estar de ter uma boa experiência. Além disso, será possível que um estresse desnecessário seja evitado, em seu bichinho.

Atenção com os horários

Visando evitar transtornos e perturbações, a maioria dos municípios restringe os horários. Com isso, o transporte de animais em ônibus e metrôs pode acontecer de modo mais tranquilo.

É sempre bom lembrar: uma viagem, por si, já é estressante para o amigão. O excesso de estímulos, os sons altos e toda a movimentação estranha pode ser um pesadelo, para eles.

Evitando, portanto, os horários de pico, há menor fluxo de pessoas e, consequentemente, mais espaço. Ainda, você tem a alternativa de pagar por mais um assento, evitando ter a caixa o tempo todo no colo.

Ah! Nunca, nunca, jamais coloque a caixa de transporte no chão ou corredor do veículo. Além de proibido, esse ato coloca em risco a vida e a segurança de seu pet.

Exceções em situações médicas graves

Talvez não haja alternativa senão realizar o transporte de animais em ônibus e metrô durante o horário de pico. Soa como um grande terror, mas uma emergência médica pode exigir isto.

Nestes casos, será necessário solicitar permissão exclusiva da empresa de transporte. A solicitação é formalizada pela apresentação de atestado veterinário assinado.

Assim, você poderá cumprir um agendamento de urgência valendo-se do transporte público. Todavia busque sempre os horários previstos e mais tranquilos. A saúde de seu pet deve estar sempre em primeiro lugar.

Outras considerações sobre o transporte de animais em ônibus e metrôs

Quando o assunto é transporte de nossos bichinhos, temos que estar sempre atentos. Estamos num ambiente público, e todos devem ser respeitados igualmente.

Desse modo, precisamos, também, garantir o direito dos outros passageiros. Por isso, tenha certeza de que todas as vacinas de seu amigão estão em dia. E leve a carteira de vacinação, para comprovar.

O motorista, um fiscal ou autoridade rodoviária pode solicitar o documento. O objetivo é garantir que nenhuma doença ponha em risco a saúde das outras pessoas.

Ainda falando de saúde, a depender da situação, converse com o veterinário antes de qualquer coisa. Verifique a saúde cardíaca do animalzinho e se atente a qualquer condição de ansiedade.

No caso de animais indóceis ou mais dispostos ao descontrole por medo, lembre-se: uma viagem, por mais curta que seja, é muito estressante.

O bichinho estará confinado, num ambiente estranho, sem acesso visual a você. Com recomendação veterinária, calmantes naturais podem ser uma opção.

Agora que você já sabe de tudo isso, está quase pronto para sair. Mas lembre-se: o transporte de animais em ônibus e metrôs deve ser feito com responsabilidade.

Consulte a lei vigente em sua cidade e pense em tudo antes de abrir o portão. Trabalhe duro por dar toda segurança e comodidade a quem você tanto ama.

Se ficou alguma dúvida, basta falar conosco nos comentários. Será um prazer imenso te ajudar a tornar sua saída perfeita, feliz e segura.

Esteja sempre conosco para dicas e novidades quentíssimas.

Quem ama os animais, como nós, quer sempre o melhor para eles.

Nos vemos em breve, pet lover. Até mais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *