Microchip em cães e gatos

Tudo sobre o microchip para cães e gatos

Cada dia mais, torna-se natural pensar no microchip para cães e gatos como a melhor alternativa de identificação.

Todos estamos sujeitos ao acaso. Num simples descuido, nosso pet pode fugir de casa ou, mesmo, ser roubado por gente mal intencionada.

Em situações assim, uma simples coleira não resolve. Ainda que contenha todos os seus dados, pode ser perdida ou, intencionalmente, destruída. Isso impediria o retorno de seu amigo a você.

Assim, o microchip para cães e gatos mostra-se solução viável. Durável, seguro e confiável, pode ser a salvação, num momento terrível.

Veremos, hoje, o que são, como funcionam e o que fazer para conseguir um. Ao final desta matéria, você será capaz de decidir se quer incluir o microchip para cães e gatos em sua vida.

Vem comigo?

O que é o microchip para cães e gatos

Quando falamos de microchip para cães e gatos, parece até coisa de ficção científica. Mas não é.

Embora pouco conhecidos — e utilizados —, no Brasil, já são obrigatórios em alguns lugares do mundo.

O microchip para cães e gatos é um dispositivo eletrônico composto por duas partes:

  • Componente eletrônico: uma estrutura contendo um emissor de sinal e um dispositivo de memória, que armazena um UID;
  • Invólucro biocompatível: a proteção externa, em vidro, silicone ou acrílico, desenvolvida para evitar rejeição e inflamações.

Mediante estímulo, produzido pelo leitor, o microchip para cães e gatos transmite o UID. Este nada mais é do que um código numérico único, como um CPF.

Desse modo, é possível conseguir a identificação do animal, bem como os dados de seu proprietário.

Principais características do microchip para cães e gatos

 Aos pensarmos no assunto, uma pergunta é quase obrigatória: tem GPS? E a resposta, infelizmente, é: não, não tem GPS.

Acontece que o microchip para cães e gatos não possui fonte de energia. Após a inserção, jamais precisará de recarga por, pelo menos, um século.

Por isso, torna-se totalmente inviável uma função ativa, como GPS, que demandaria energia constante. Porém, mesmo sem ele, falamos de uma alternativa à coleira muito funcional.

A aplicação deve, necessariamente, ser realizada por um veterinário. O dispositivo é inserido sob a pele do animal, com a ajuda de uma seringa. De lá, não sairá senão por cirurgia.

Rejeições são baixíssimas, senão nulas. Não há necessidade de sedação ou tratamento de recuperação, na aplicação.

O microchip para cães e gatos fica inerte por toda sua existência. Ele apenas se ativa quando motivado pelo leitor.

Falando de custo, não é nada proibitivo: encontra-se microchip para cães e gatos por cerca de R$ 100,00.

Após a introdução, seus dados, bem como os do pet, entram para um banco de dados. Havendo necessidade, você poderá ser encontrado, tendo seu animal devolvido a você.

Desvantagens do microchip para cães e gatos no Brasil

Por ter pouca procura, o microchip para cães e gatos não possui grande adesão, no Brasil. Pouquíssimos são os veterinários que possuem o leitor. E não há banco de dados unificado.

Por isso, não há garantia absoluta que, num eventualmente desaparecimento, o animal seja testado. Todavia, com mais e mais procura, nos adequaremos a essa nova realidade.

Importa, por agora, saber que falamos de algo muito confiável. Tão confiável que, para viagens à Europa ou Japão, o microchip para cães e gatos é, simplesmente, obrigatório.

Vantagens de colocar o Microchip em seu Pet

Para criadores de reprodução, o chip funciona como um pedigree perpétuo. Os dados, ali inseridos, nunca poderão ser fraudados, garantindo a linhagem e propriedade, do animal.

Ainda, o microchip para cães e gatos poderá, no futuro, ajudar a combater o abandono. Qualquer animal, ao ser verificado, dará os dados de quem o abandonou.

As medidas legais, então, poderão ser executadas com precisão. Evitaremos, assim, a impunidade, resolvendo um grave problema.

Por esses e outros muitos motivos, perder o medo do microchip para cães e gatos é urgente e necessário. A procura moverá toda a máquina.

Se gostou da ideia, visite seu veterinário. Ele poderá passar detalhes sobre o cadastro e atualização dos dados, em caso de mudanças.

A necessidade também motivará autoridades a gerarem um cadastro unificado. Teremos como coibir o abandono, a venda irresponsável, o roubo e os maus tratos contra nossos amigos.

Agora, se ficou alguma dúvida, fale com a gente no campo de comentários. Será um prazer esclarecer o tema para você.

E esteja sempre conosco. Novas matérias, cheias de dicas, sairão com frequência.

Até logo, pet lover. Adoramos sua visita, e queremos você sempre conosco.

Quem ama os animais, como nós, quer sempre o melhor para eles.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *